MPT games

Transporte de veiculos facil e barato !

transporte de veiculos

Mudanças são atos comuns das nossas vidas de muitas pessoas por todo o Brasil. Seja por motivo de trabalho ou por motivo de alcançar uma nova qualidade de vida, o volume de mudanças é intenso por todo os estados brasileiros.

Na região centro-oeste a maioria das mudanças está relacionada ao funcionalismo público que é enviado para várias partes do Brasil, incluindo os militares.

Claro que transportar uma mudança residencial dá muito trabalho e exige um certo planejamento, mas uma coisa que a gente tem um carinho especial é o nosso veículo.

Existem muitos serviços de transportes de carros disponíveis só que é um problema comparar preços entre dezenas de fornecedores diferentes, em alguns casos com diferenças de preços de até 100% de um fornecedor para o outro.

Na hora de transportar o seu carro o prestador de serviços embarca o seu veículo no ponto de garagem. Então você necessariamente tem que levar o veículo até esse ponto de atendimento, e o motivo é que o tamanho da cegonheira que transporta o seu veículo é muito grande e não pode rodar pela cidade.

O quê em alguns casos exige também a contratação adicional do serviço de um guincho para levar da porta da sua casa até o ponto de recolhimento do veículo, o que pode elevar um pouco mais os custos.

O serviço de transporte de veículo fica com um custo interessante quando a viagem é acima de 800 km de distância, um percurso menor acaba sendo mais interessante você mesmo levar o veículo, dirigindo.

O caminhão cegonha preço só sai do ponto de transporte lotado ou seja com 11 veículos embarcados o que também pode levar alguns dias para ocorrer. É bom levar em consideração isto, na hora de estimar o prazo de que você espera receber o seu veículo no destino.

Existe um serviço na internet que é capaz de comparar preços entre diferentes transportadoras e economizar muito tempo na pesquisa de preços, onde são as próprias transportadoras que entram em contato com você oferecendo diferentes ofertas para levar o seu veículo.

Este serviço é grátis para quem pesquisa e uma ferramenta de vendas para a transportadora de veículos, que está sempre atrás de mais clientes. Para a transportadora tem um curso de assinatura mensal no valor muito popular e ainda têm um período de experiência grátis de 30 dias para receber dados e pedidos de clientes de todo o Brasil.

Clique aqui é o nome do serviço que faz este serviço de comparação de preços e você pode acessar o site deles neste endereço aqui transportes de veiculos

É sempre muito bom checar antes a transportadora que vai levar o seu veículo verificando a validade da apólice de seguro e todas as suas coberturas na hora de usar o serviço de transporte de veículo.

Não é recomendado transportar itens da sua mudança dentro do seu veículo para economizar, pode acabar saindo mais caro.

O transporte de veículos é feito em caminhões especiais com carroceria aberta o que facilita o acesso à oportunistas. Muitas transportadoras se recusam a levar veículos lotados de caixas por este motivo de segurança.

Boa Mudança !

O que você quer ser quando crescer?

trabalho-infantil

O que você quer ser quando crescer?

Para muitas crianças essa pergunta não faz sentido, pois não se encontram no direito de esperar crescer para escolher o que fazer. Qual criança nunca pediu de presente um carro para brincar ou um caminhão para montar, ou até uma boneca para cuidar?

Para elas existe um caminhão ou uma boneca, sim, mas o caminhão é para que eles encham de pedras pesadas que lhes custem horas de trabalho num calor desumano, debaixo de um sol intenso, trabalho esse listado como uma das piores formas de trabalho infantil no Brasil.

E a boneca? Sim, ela existe! Mas é personificada no filho ou filha da dona da casa onde trabalham, quando muitas vezes nessa mesma casa, também são protagonistas de cenas de abusos e violência doméstica, pois seus pais longe dali, muitas vezes nem imaginam o que sua filha, tida como empregada doméstica, tem vivido, o que as deixam ainda mais vulneráveis a vários tipos de exploração.

A entrada precoce no mercado de trabalho reduz muito as possibilidades de uma renda futura digna quando for adulta. Então, uma criança ou adolescente que entra no mercado de trabalho de forma irregular, sem ter ao menos o ensino básico, terá muito menos condições de ter um trabalho adequado no futuro.

A escola é a única forma de quebrarmos o ciclo vicioso da pobreza e não o trabalho precoce, porque quanto mais anos de estudo a criança tem, melhor será o salário dela futuramente. Mas como ter ânimo para ir à escola no fim de um dia, que muitas vezes começou antes das 04 horas da manhã?

Empresas parceiras de todo o Brasil também apoiam a iniciativa no combate a exploração do trabalho infantil, Mobica é uma empresa da internet que compara preços no ramo de moveis planejados.

Como conseguir manter-se acordado e concentrado no conteúdo trazido pela professora se o corpo cansado pede cama? Restam então para esses trabalhadores mirins, a repetência e o baixo rendimento escolar.

Um dos principais entraves no enfrentamento ao trabalho infantil está na capacidade dos técnicos, da sociedade e principalmente das próprias crianças, em perceber ou caracterizar o trabalho infantil.

Talvez pela naturalização com que a sociedade enxergão trabalho infantil, embasada pela máxima: “É melhor tá trabalhando do que tá roubando”.

Como se para esses infantes só existissem exclusivamente essas duas possibilidades: trabalhar ou roubar.

Ou ainda pelo fato das crianças e adolescentes exploradas na mão de obra infantil se reconhecerem como provedores dessas famílias às quais garantem o sustento com as moedas que recebem por um dia inteiro de trabalho.

CNMP apoia projeto de conscientização contra trabalhos infantil e escravo

trabalho livre

A iniciativa, realizada em parceria com o Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (Facisa), de Campina Grande/PB, já resultou na produção de dois games: “Infância Livre” e “Trabalho Livre”.

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), a fim de dar continuidade às ações de mobilização social contra o trabalho infantil e o trabalho escravo no Brasil, apoia, por meio da Comissão da Infância e Juventude (CIJ), projeto de desenvolvimento de jogos eletrônicos educativos promovido pelo Ministério Público do Trabalho da Paraíba (MPT/PB).

A iniciativa, realizada em parceria com o Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (Facisa), de Campina Grande/PB, já resultou na produção de dois games: “Infância Livre” e “Trabalho Livre”.

Os jogos, cujo público-alvo são as crianças e adolescentes, apresentam linguagem simples e buscam conscientizar e alertar os usuários de forma lúdica, por meio da apresentação de cenários do cotidiano. O game “Infância Livre” mostra ao jogador como combater diversos cenários do trabalho infantil no Brasil, como os que ocorrem nos lixões, no meio rural e no ambiente doméstico.

O “Trabalho Livre”, por sua vez, é um jogo educativo sobre a erradicação do trabalho escravo, com histórias e diálogos baseados em fatos reais. O game tem o objetivo de alertar sobre essa problemática, chaga social que ainda atinge milhões de trabalhadores em diversos países. Nas missões, o jogador conhece a realidade do trabalho escravo em alguns cenários, como canavial, carvoaria, costuraria e pedreira.

De acordo com o conselheiro e presidente da CIJ/CNMP, Walter Agra, “A CIJ tem trabalhado insistentemente no combate ao trabalho infantil e ao trabalho escravo, e os games agora disponibilizados têm o condão de conscientizar a todos de uma forma divertida e eficaz”. O conselheiro lembrou ainda que “também é missão do CNMP divulgar as boas práticas de todos os ramos do Ministério Público e esses jogos produzidos pelo MPT/PB e Facisa são inovadores e de excelente qualidade”.

O procurador do Trabalho Marcus Antônio Ferreira (MPT/PB), que participa do grupo que idealizou o projeto, destacou a importância da ação ao “sensibilizar a sociedade de uma forma inovadora e influenciar na formação profissional dos estudantes que produziram os jogos”. Segundo o procurador do Trabalho Raulino Maracajá (MPT/PB ), que também atua na organização da ideia, a iniciativa tem o mérito de “transmitir uma mensagem contra os trabalhos infantil e escravo de forma criativa, utilizando estudantes como agentes multiplicadores nesse tema tão caro à sociedade”.

A iniciativa também conquistou outras empresas como por exemplo uma empresa de Brasilia, que também desenvolve soluções para a internet no ramo de comparação de preços. Camion é um comparador de preços para o ramo de transporte de veículos.

O CNMP no combate ao trabalho infantil

O CNMP atua permanentemente visando à erradicação do trabalho infantil e à repressão do trabalho escravo. Em 2015, por exemplo, para celebrar o Dia das Crianças, comemorado dia 12 de outubro, a instituição lançou um vídeo de combate ao trabalho infantil nas redes sociais mostrando a reação de crianças quando recebem uma caixa surpresa, de seus pais, com tijolos, arames e correntes, em vez de brinquedos. O vídeo foi compartilhado com a hashtag #naodêtrabalho.

Com o intuito de auxiliar e tornar efetiva a garantia constitucional da prioridade absoluta dos direitos das crianças e adolescentes, a CIJ/CNMP elencou diversas ações na 2ª edição do Manual de Erradicação do Trabalho Infantil. A publicação auxilia membros do Ministério Público a efetivar a atuação na erradicação do trabalho perigoso, penoso e insalubre aos menores de 18 anos, bem como qualquer trabalho a menores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz a partir dos 14 anos.

Um game educativo sobre a erradicação do Trabalho Infantil

jogo educativo sobre erradicação do trabalho infantil

O Ministério Público do Trabalho (MPT) lançou nesta terça-feira (14/2014), em Brasília, o jogo educativo Infância Livre. O game, para crianças e adolescentes, apresenta vários possíveis cenários de exploração da mão de obra infantil, como lixões, o meio rural e o ambiente doméstico, a fim de mobilizar a sociedade para a erradicação do trabalho infantil.

No Brasil, 3 milhões de crianças estão em situação de trabalho. No jogo, são fornecidas informações sobre os prejuízos da prática e sobre os direitos da criança e do adolescente. O Infância Livre está disponível gratuitamente na internet aqui e pode ser baixado em computadores e tablets.

O projeto é resultado de cooperação entre o MPT na Paraíba e o Curso Superior de Tecnologia em Jogos Digitais da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (Facisa), de Campina Grande (PB), firmada em 2012. No lançamento, foi exibido o trailer e o making off do processo de criação, animação e programação do jogo, desenvolvido pelos estudantes Aleff Ghimel, César Augusto, Aurélio Filgueiras e Valdemir Segundo, sob a supervisão do coordenador do curso, Rodrigo Motta. “O projeto tem essa questão social, ele muda você como cidadão, muda a forma como a gente entende a sociedade. Eu não sabia o que era ou não trabalho infantil. Essa experiência profissional fez com que eu me desse conta do que é certo e errado”, afirmou Aleff.

Algumas crianças foram encontradas em situação de risco trabalhando com moveis planejados em brasilia.

A produção do game foi idealizada pelos procuradores Marcos Almeida e Raulino Maracajá, responsáveis pelo programa MPT Games. “A nossa ideia é explorar o potencial que os jogos digitais têm de entretenimento para levar informação e gerar a reflexão sobre temas sociais relevantes como o trabalho infantil. Nosso objetivo é promover cidadania nas relações de trabalho e, através disso, estabelecer uma sociedade mais justa e digna”, explicou Marcos Almeida.

Ele lembrou que a prática tem ligação com questões socioeconômicas e mitos que defendem o trabalho como elemento formador do caráter e alternativa para a fuga da marginalidade.

“Já está constatado que a mera repressão e punição dos exploradores é insuficiente para acabar com o problema do trabalho infantil. Esse game é uma ferramenta inovadora que, de forma lúdica e pedagógica, surte muito mais efeito para a conscientização das pessoas do que uma sentença, um inquérito civil ou uma ação civil pública”, afirmou o coordenador nacional de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Coordinfância), o procurador do Trabalho Rafael Dias Marques.

No lançamento, os jovens Fernando Almeida e Glenda Martins, adolescentes aprendizes do Centro Salesiano do Adolescente Trabalhador do Distrito Federal (Cesam-DF), testaram o jogo contra o trabalho infantil. “O game passa uma mensagem muito forte. Eu fiquei chocada em saber que essa realidade ainda existe em pleno século 21. Ele conscientiza divertindo. Eu achei bem interessante mesmo, bem legal”, fala Glenda.

Proteção da infância

O procurador-geral do Trabalho, Luís Camargo, falou da relação entre o trabalho precoce e o trabalho escravo contemporâneo e destacou a importância de proteger à infância para evitar as condições precárias de trabalho entre os adultos. “Se conseguirmos erradicar o trabalho infantil estaremos muito próximos de erradicar o trabalho escravo. A maioria dos trabalhadores submetidos a condições análogas às de escravo foram crianças privadas de seus direitos, das brincadeiras e da escola.”

Também participaram do lançamento a vice-procuradora-geral do Trabalho, Eliane Araque dos Santos, o presidente da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), Carlos Eduardo de Azevedo Lima, e o procurador-chefe do MPT-PB, Cláudio Gadelha.

Nobel da Paz – No evento, o diretor-adjunto da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Stanley Gacek, e a representante da Secretaria de Direitos Humanos (SDH), Angélica Goulart, fizeram menção ao prêmio Nobel da Paz, concedido este ano à paquistanesa Malala Yousafzai e ao indiano Kailash Satyarthi, militantes da educação igualitária e da proteção à criança e ao adolescente, respectivamente.